terça-feira, 10 de março de 2015

"CABO TOCO" - EXEMPLO DE MULHER BRIGADIANA





      O Museu da Brigada Militar estará realizando, de 9 a 13 deste mês, uma exposição homenageando a Cabo Toco e todas as policiais militares femininas, através de fotografias de época armas e fardamentos utilizados pelas PMs. Na próxima quarta-feira (11/3), às 16h30, O Museu realizará um encontro com as policiais militares femininas atuantes na primeira turma, onde a Cabo Toco foi homenageado, para reverenciar todas as PMs pelo Dia Internacional da Mulher.

       De acordo com o diretor do Museu, Major Gilberto Guntzel, o alojamento feminino da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos ( EsFAS) leva o nome da Cabo Toco. “Ela também foi patrona da primeira turma de policiais femininas da Brigada Militar , bem como da primeira turma de PMs femininas do 2º Regimento de Policia Montada (RPMon) . Ijuí também homenageou Cabo Toco dando seu nome a uma rua da cidade bem como ao CTG do 9º Batalhão da Polícia Militar da mesma cidade.

      Olmira Leal de Oliveira, conhecida como "Cabo Toco", nasceu no dia 18 de junho de 1902, na localidade de Camaquã, em Caçapava do Sul. Na década de 20, integrou as fileiras da Brigada Militar, como combatente e enfermeira do 1º Regimento de Cavalaria, hoje 1º Regimento de Polícia Montada, sediado em Santa Maria. 

     Participou dos movimentos revolucionários de 1923, 1924 e 1926. Ela incorporou em 1923 e só deixou a Brigada em 1932. Em 1951, casou-se com Antônio Martins da Silva, mas não teve filhos.

     Faleceu em 21 de outubro de 1989 com 87 anos. Sua figura ficou conhecida em 1987, quando a intérprete gaúcha Fátima Gimenez venceu a V Vigília do Canto Gaúcho contando sua história na música "Cabo Toco".

Comunicação Social/EMBM
Texto:  Clelia Admar