sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Uso de celular no trânsito, uma combinação perigosa

 Por: 


         De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, dirigir falando ao celular é considerado uma infração média, equivalente a jogar lixo na rua ou andar com o braço para fora da janela. Em entrevista para o site Portal do Trânsito, o diretor-geral do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) do Ministério da Saúde, João Antônio Matheus Guimarães, alerta que o uso do celular, no entanto, é a atividade mais perigosa, pois diminui os reflexos do motorista.
     De acordo com uma pesquisa divulgada pela Universidade de Utah, nos Estados Unidos, checar o celular toda hora aumenta em 400% o risco de acidente. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia realizou uma enquete no Rio de Janeiro e em São Paulo que atestou que 84% dos motoristas têm o hábito de dirigir e falar ao celular, embora todos estejam conscientes de que esse é um comportamento perigoso.
     Usar fone de ouvido ou dispositivos de alto falante no carro são igualmente prejudiciais, de acordo com alguns especialistas, pois também tiram parte da atenção do motorista. A lei que considera usar celular ao volante uma infração de gravidade média é de 1995, quando os celulares no Brasil eram pouco mais de 4 milhões. Hoje, chegam a 265 milhões.
    Para os pedestres também há risco de acidentes associados ao uso do celular. A distração pode fazer com que atravessem sem olhar para os dois lados e não estejam atentos se o sinal está vermelho para os carros, aumentando o risco de atropelamentos.
     A responsabilidade pela segurança no trânsito deve ser de todos. Motoristas e pedestres devem colocar a sua segurança sempre em primeiro lugar. O ideal é que, caso o uso do aparelho celular seja urgente, o motorista encoste o carro e o pedestre pare em algum lugar seguro na calçada, realize a atividade e, depois, siga o seu caminho com atenção.